Total de visualizações de página

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

PLANO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA de 2011 5º ao 9º do Ensino Fundamental Turno: Matutino

E.E ANTÔNIO WELERSON



PLANO DE INTERVENÇÃO  
 PEDAGÓGICA/2011
Há escolas que são gaiolas. Há escolas que são asas”.
Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do vôo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-las para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. Deixaram de ser pássaros. Porque a essência dos pássaros é o vôo.
Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são os pássaros em vôo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o vôo, isso elas não podem fazer, porque o vôo já nasce dentro dos pássaros. O vôo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado.

5º ao 9º do Ensino Fundamental
Turno: Matutino










AVALIAÇÃO DO PLANO



Para avaliar a eficácia do P.I.P., serão reuniões mensais e/ou quando julgar necessárias.





BIBLIOGRAFIA

Ÿ  Livros do CEALE
Ÿ  Prova Brasil
Ÿ  Prova do proalfa
Ÿ  Boletins Pedagógicos e outros.











E.E. Antônio Welerson
CÓDIGO 075124: Decreto de criação ______________________; Autorização de série __________________; Endereço: Rua Capitão Luiz Quintino de Souza nº           - centro Manhuaçu - MG


Diretor(a):
Rogério de Oliveira

Vice - diretora:
Sandra Maia


Equipe Pedagógica:
Gelvania Câmara Marques









Anexo 1


E.E. Antônio Welerson


MATEMÁTICA – 5º ANO


Anexo 2


PORTUGUÊS 5º ANO



ANEXO3
MATEMÁTICA -9º ANO


Anexo 4
PORTUGUÊS -9º ANO



Diagnóstico da Escola
         As primeiras metas propostas pela Escola foram atingidas!
            Porém, nossos resultados, em todos os níveis de Ensino e disciplina avaliadas, estão abaixo dos índices de nossa cidade e da SER.
            Importante também é reduzir o número de alunos que se encontram no nível baixo da proficiência.
            A participação de nossos alunos na realização das provas também deixa a desejar. Observe:

5° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
Língua Portuguesa

5° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
Matemática

9° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
Língua Portuguesa

9° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
Matemática   




E.E.ANTÔNIO WELERSON
 PLANO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA
MATÉRIA: PORTUGUÊS          ANO:

Meta: Elevar a média de proficiência de 204,3 para em 208,7 2011

Descritores
Metas
Responsáveis
1- PROCEDIMENTOS DA LEITURA


D0
Compreender frases ou partes que compõem um texto.
Leitura diária de historias do professor para o aluno, pelo aluno e Hora do Conto.
PROFESSOR BIBIOTECÁRIA MONITORA
D1
Identificar um tema ou sentido global de um texto.
Atividades de concentração/ musicalização, ilustração, caça, palavras, cruzadinhas, jogos, (bingos ortográficos, pesquisa ortográficas.

PROFESSOR VOLUNTARIOS ATRAVÉS DE PARCERIAS
D2
Localizar informações explícitas em um texto.
Trabalhar com diversos tipos de texto.
PROFESSOR
D3
Inferir informações implícitas  em um texto.
Leituras individuais, coletivas e dialogadas.
PROFESSOR
D5
Inferir o sentido de palavras ou expressão.
Leituras individuais, coletivas e dialogadas.
PROFESSOR
D10
Distinguir um fato da opinião relativa  a esse fato.
Trabalhar com recorte de reportagens, de jornais e de revistas e concluir com textos reescritos pelos alunos.
PROFESSOR
II- INPPLICAÇÃO DO SUPORTE, DO GENERO E/OU DO ENUNCIADOR DA COMPREENÇÃO DO TEXTO.


D6
Identificar o gênero de um texto
Trabalhar diferentes tipos de textos. Relatório, carta, oficio, bilhete, documentos pessoais, historia em quadrinhos, rótulos, bulas, contas (água, luz, telefone)

D7
Identificar a função de texto de diferentes gêneros.
Trabalho individual e diferenciado.
PROFESSOR
D8
Interpretar textos que conjuga linguagem verbal e não verbal
Dramatizações, desenhos, cartazes, produzir a partir de cenas, tempestade mental
SUPERVISORA MONITORA
III-COERÊNCIA E COESÃO NO PROCESSAMENTO DO TEXTO


D11
Reconhecer relações lógico-discursivas, presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios, etc.
Interpretações de textos (e gramática contextualizada)
PROFESSOR
D12
Estabelecer relação causa/conseqüência entre partes e elementos do texto.
Leitura parcial do texto com leitura e intervenção do professor.
PROFESSOR
D15
Estabelecer relações entre partes de em texto, identificando repetições e substituições que contribuem para a sua continuidade.
Atividades de ordenação de palavras, frases e parágrafos.
PROFESSOR
D19
Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que compõem a narrativa.
Trabalhar textos em que o aluno possa reconhecer o tema principal e os personagens.

IV-RELAÇÕES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO


D13
Identificar efeitos de ironia em textos
Trabalho com gibis e filmes
PROFESSOR
D21
Reconhecer o efeito de sentido decorrendo do uso de pontuação e de outras notações
Leitura com entonação, pontuação, harmonia e ritmo.
PROFESSOR


       V-VARIAÇÃO LINGUÍSTICA


D13
Identificar marcas lingüísticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de um texto.
Trabalho com os contos, casos interessantes, folclore, músicas, cantigas, jogos, brincadeiras, etc.
PROFESSOR, MONITORES E VOLUNTÁRIOS





















E.E ANTÔNIO WELERSON
PLANO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA
MATÉRIA: MATEMÁTICA      ANO:


Meta: Elevar o nível de proficiência de 221,9 para 228,1 em 2011.

DESCRITORES
METAS
RESPONSÁVEIS
1- Espaço de forma


D1
Identificar a localização/movimentação de pessoas e objetos em mapas, croquis e outras representações gráficas.
Construção de tabelas, gráficos, croquis e outras representações gráficas. Análise e interpretação das mesmas.
Todos os professores da Fase Introdutória ao 5º ano. (Geo, Hist, Por, Mat, Ciê, Art, Ing, Rel, Ed. Fís.)
D2
Identificar posições relativas de retas no plano (paralelas e concorrentes).
Trabalhando coordenadas geográficas, utilizando instrumentos de medida (régua compasso)
IDEM
D3
Relacionar figuras tridimensionais (cubo e bloco retangular) com suas planificações.
Confecções de figuras geométricas em papel cartão, cartolina e outros.
IDEM
D4
Reconhecer um figura plana ( triangulo, quadrilátero e pentágono) de acordo com o numero de lados.
Utilizar quadriculados, de desenho, de cartografia e outros.
IDEM
D5
Identificar quadriláteros (quadrado, retângulo, trapézio, paralelograma, losango), observando as posições relativas entre seus lados.
Observação do meio ambiente (urbano e rural)
IDEM
II – GRANDEZAS E MEDIDAS


D6
Estimar medidas e grandezas, utilizando unidades de medida convencionais ou não.
Utilizar as medidas padrão em situações cotidianas.
IDEM
D7
Resolver problema utilizando unidades de medida padronizadas com Km/m/cm/mm, L/ml, bem como as convenções entre L e Ml e as conversões entre tonelada e Kg.
Trabalhar com principal apoio da Geografia (escala). Trabalhar com o concreto Por ex.: medir altura dos alunos, objetos, comparar.
IDEM
D8
Estabelecer relações entre unidades de medida de tempo (milênio, século, década, ano , mês, semana, quinzena, dia, hora, minuto, semestre, trimestre, e bimestre) na resolução de problema.
Trabalhar calendário, datas comemorativas, cívicas, fusos horários, etc.
IDEM
D9
Ler e interpretar horas em relógios digitais e de ponteiros.
Conhecimento de vários tipos de relógios.
IDEM
D10
Estabelecer relações entre horário de inicio e de término e/ou intervalo de duração de um evento ou acontecimento.
Trabalhar noções de tempo e espaço.
IDEM
D11
Resolver problema envolvendo o cálculo do perímetro de figuras planas, desenhadas em áreas quadriculares.
Utilização de cadernos quadriculares
IDEM
D12
Resolver problemas envolvendo o cálculo da área de figuras planas desenhadas em malhas quadriculares
Utilização de cadernos quadriculares
IDEM
III-NUMEROS E OPERAÇÕES – ÁLGEBRAS E FUNÇÕES
D13
Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamento e trocas na base 10 e principio do valor posicional
Utilização do Q.P., material dourado e ábaco.
IDEM
D14
Reconhecer a escrita, por extenso, dos numerais.
Preenchimento de cheques, tabelas, etc.
IDEM
D15
Identificar a localização de números naturais na ereta numérica
Utilização de retas numéricas, etc.
IDEM
D16
Resolver problemas com números naturais, envolvendo diferentes significados da adição
Criação de problemas trabalhando as noções de adição e tabuada.
IDEM
D17
Resolver problemas com números naturais, envolvendo diferentes significados da subtração
Criação de problemas trabalhando as noções de subtração e tabuada.
IDEM
D18
Resolver problemas com números naturais, envolvendo diferentes significados da multiplicação
Criação de problemas trabalhando as noções de multiplicação e tabuada.
IDEM
D19
Resolver problemas com números naturais, envolvendo diferentes significados da divisão
Criação de problemas trabalhando as noções de divisão e tabuada.
IDEM
D20
Identificar diferentes representações de um mesmo número decimal
Trabalhar frações equivalentes através de comparações e materiais concretos
IDEM
D21
Localizar números racionais da forma decimal na reta numérica

IDEM
D22
Estabelecer troca entre cédula e moeda em funções de seus valores
Criação de lojinhas em sala de aula para que possa trabalhar a troca. Uso do “dinheiro”
IDEM
D23
Calcular adição de números racionais na forma decimal
Soma de frações e problemas.
IDEM
D24
Calcular subtração de números racionais na forma decimal
Subtrações de frações e problemas envolvendo tal operação.
IDEM
D25
Resolver problemas com números racionais expresso na forma decimal envolvendo diferentes significados da adição
Resolver e criar problemas, atividades e exercícios.
IDEM
D26
Resolver problemas com números racionais expresso na forma decimal, envolvendo diferentes significados da subtração
Resolver e criar problemas, atividades e exercícios
IDEM
D27
Resolver problemas com números racionais expressos na forma decimal envolvendo adição e subtração
Resolver problemas com dois raciocínios.
IDEM
D28
Resolver problema envolvendo o quociente de um número racional da forma decimal pro um numero natural não nulo e problemas algébricos
Identificar que o numero nulo não é o divisor e nenhum número.
Trabalhar álgebra no 5º ano
IDEM
IV- tratamento de informação


D29
Ler e interpretar informações e dados apresentados em tabela.
Trabalhar com várias tabelas de forma interdisciplinar
IDEM, principalmente geografia
D30
Ler e interpretar informações e dados apresentados em gráfico de coluna.
Trabalhar várias tabelas (jornais, revistas, etc.)
IDEM, principalmente geografia






















E.E.ANTÔNIO WELERSON”
PLANO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA
MATÉRIA: Matemática      ANO:


Meta: elevar o nível de proficiência de 259,5 para 263,9 em 2011



Descritores
Ações
Responsáveis
1- Espaço de forma


D1
Identificar a localização de pessoas e objetos em mapas, croquis e outras representações gráficas.
Construção, análise e interpretação de gráficos e tabelas
PROFESSORES DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS
D2
Identificar prioridades de figuras tridimensionais, relacionando-as com suas planificações.
Montagem de figuras tridimensionais, realçando suas planificações com papel ofício. Colorir e recortar.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D3
Identificar propriedades de triângulos pela comparação de medidas de lados e ângulos.
Utilizar régua e compasso para construção de triângulos, estudando assim, suas propriedades.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D4
Identificar relação entre quadriláteros por meio de suas propriedades.
Trabalhar com materiais concretos feitos em cartolina e papel ofício.
Incentivar o uso da régua.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D5
Reconhecer a conservação ou modificação de medidas dos lados, do perímetro, da área em aplicação e/ou redução de figuras usando malhas quadriculadas.
Trabalhar com papel quadriculado para reforçar noções de perímetro e áreas.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D6
Reconhecer ângulo como: Mudança de direção ou giro, área delimitada por duas semi-retas de mesma origem.
Trabalhar ponteiros do relógio, o uso de régua e transferidor.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D7
Identificar propriedades de figuras semelhantes construídas com transformação (redução, ampliação, translação e rotação).
Usar caderno quadriculado.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D8
Utilizar propriedades dos polígonos regulares (soma de seus ângulos internos, número de diagonais, cálculo de medida de cada ângulo interno).
Aprofundar estudos de ângulos. Desenhar polígonos em cartolina e papel ofício. Incentivo do uso da régua e transferidor.
PROFESOR DE MATEMÁTICA
D9
Identificar e localizar pontos no plano cartesiano e suas coordenadas e vice-versa.

PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D10
Utilizar relações métricas do triângulo retângulo e Teorema de Pitágoras.

PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D11
Utilizar as propriedades e relações dos elementos do círculo e da circunferência.
Uso do compasso para formar várias transferências e aprofundar seu estudo.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA
II – GRANDEZAS E MEDIDAS (2ª maior deficiência da escola)

PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D12
Resolver situações-problema envolvendo o cálculo do perímetro e da área de figuras planas.
Identificar e resolver problemas com aplicações práticas.
PROFESSORES DE MATEMÁTICA, CIÊNCIAS E PORTUGUÊS
D13
Utilizar as noções de volume
Identificar e resolver problemas.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D14
Utilizar as relações entre diferentes unidades de medida.
Identificar, comparar e resolver problemas práticos.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA
III – NÚMEROS E OPERAÇÕES – ÁLGEBRAS E FUNÇÕES

PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D15
Identificar e localização de números racionais na reta numérica.
Fazer a reta numérica em cartolina.
MATEMÁTICA

D16
Identificar a localização de números racionais na reta numérica.

PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D17
Resolver situações-problema com números naturais envolvendo diferentes significados das operações (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação).

PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D18
Resolver situações-problema com números envolvendo operações (adição, subtração, multiplicação, divisão e potenciação).
D15 a D18: Identificar e resolver problemas e rever conceitos básicos (8º e 9º ano)
PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D19
Reconhecer as diferentes representações de um número racional.

PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D20
Identificar fração como representação que pode estar associada a diferentes significados.

PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D21
Identificar frações equivalentes

PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D22
Reconhecer as representações decimais dos números racionais como uma extensão de sistema de numeração decimal, identificando a existência de “ordens” como décimos, centésimos e milésimos.
D19 a D22: Identificar. Reconhecer e resolver problemas práticos.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D23
Resolver situações-problema com números racionais envolvendo as operações (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação).
Formular atividades que levem o aluno a interpretar os dados e resolver situações-problema.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D24
Efetuar cálculos simples com valores aproximados de radicais.
Intensificar o número de atividades que reforcem a leitura e a interpretação.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D25
Resolver situações-problema envolvendo porcentagem.

PROFESSOR DE MATEMÁTICA

D26
Resolver situações-problema que envolve variação proporcional direta ou inversa entre grandezas.

PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D27
Resolver situações-problemas que envolvam equação do 1º grau e 2º grau.

PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D28
Identificar uma equação ou inequação do 1º grau que expressa um problema e representar geometricamente uma equação do 1º grau.
Dar mais ênfase ao estudo das equações.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D29
Resolver situação-problema envolvendo sistemas do 1º grau.

PROFESSOR DE MATEMÁTICA
D30
Identificar a relação entre as representações algébrica e geométrica de um sistema de equações do 1º grau.
D23 a D30: (Principal problema da escola). Identificar e resolver problemas relacionados à álgebra com aplicações práticas.
PROFESSOR DE MATEMÁTICA
IV – TRATAMENTO DE INFORMAÇÃO


D31
Interpretar e utilizar informações apresentados em tabelas.
Construção de gráficos e tabelas. Análise e interpretação das mesmas.
PROFESSORES DE HISTÓRIA, GEOGRAFIA, MATEMÁTICA E CIÊNCIAS
D32
Associar informações apresentadas em listas e/ou tabelas simples aos gráficos que representam e vice-versa.

PROFESSORES DE HISTÓRIA, GEOGRAFIA, MATEMÁTICA E CIÊNCIAS
D33
Interpretar, comparar e utilizar dados apresentados em gráficos 9 coluna, segmento e setores).

PROFESSORES DE HISTÓRIA, GEOGRAFIA, MATEMÁTICA E CIÊNCIAS
                                 
E.E.ANTÔNIO WELERSON
PLANO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA
MATÉRIA: PORTUGUÊS  ANO:


Meta: Elevar o nível de proficiência de 237,3 para 240,2 em 2011

DESCRITORES
METAS
RESPONSÁVEIS
D1
Identificar um tema ou o sentido global de um texto.
Através de textos fazer com que o aluno entenda a idéia central. Para isso, trabalhar com textos diversos como: anúncios, charges, gráficos, autdoor, filmes, bulas, receitas, textos complexos (idéia central de um parágrafo, até o texto todo). Expressar oralmente e por escrito o que leu, ouviu, escreveu e opinar.
PROFESSOR DE PORTUGUÊS E APOIO DOS PROFESSORES DE CIÊNCIAS, GEOGRAFIA E HISTÓRIA.
D2
Localizar informações implícitas em um texto.
Através de textos fazer com que o aluno entenda a idéia central. Para isso, trabalhar com textos diversos como: anúncios, charges, gráficos, autdoor, filmes, bulas, receitas, textos complexos (idéia central de um parágrafo, até o texto todo). Expressar oralmente e por escrito o que leu, ouviu, escreveu e opinar.
Projeto “Banca de Leitura”
Projeto “Se liga, fique por dentro”
Projeto “Resgatar”
IDEM
D3
Inferir informações implícitas em um texto.

IDEM
D5
Inferir o sentido de uma palavra ou expressão.

IDEM
D10
Distinguir fato de opinião
Colocar-se na opinião do autor para verificar se sua visão é holística, fragmentada ou tendenciosa.
IDEM
II – IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO GÊNERO E/OUDO ENUNCIADOR DA COMPREENÇÃO DO TEXTO.


D6
Identificar o gênero de um texto.

Disponibilizar textos diversos para que os alunos os manuseiem e reconheçam suas peculiaridades, bem com suas finalidades.
IDEM
D7
Identificar a função de textos de diferentes gêneros;
IDEM
IDEM
D8
Interpretar texto que conjuga linguagem verbal e não-verbal.

Através de textos fazer com que o aluno entenda a idéia central. Para isso, trabalhar com textos diversos como: anúncios, charges, gráficos, autdoor, filmes, bulas, receitas, textos complexos (idéia central de um parágrafo, até o texto todo). Expressar oralmente e por escrito o que leu, ouviu, escreveu e opinar.

III – RELAÇÃO ENTRE TEXTOS

IDEM
D18
Reconhecer posições distintas entre duas ou mais relativas ao mesmo fato ou ao mesmo tema.
Trabalhar com vários textos para identificar opiniões diversas sobre um mesmo tema, comparando-as.
IDEM
D20
Reconhecer diferentes formas de abordar uma informação ao comprar que tratam do mesmo tema.
IDEM
IDEM
IV – COERÊNCIA E COESÃO NO PROCESSO DO TEXTO

IDEM
D11
Reconhecer relações lógico-discursivas presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios, etc.
Produzir textos a partir de problemas do cotidiano, estabelecendo relações de causa e conseqüência, utilizando os elementos coesivos adequados bem como um vocabulário mais elaborado e concordância apropriadas (nominal e verbal).
IDEM
D12
Estabelecer relações lógico-discursivas presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios, etc.
IDEM
IDEM
D15
Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando repetições ou substituições que contribuem para sua continuidade.
IDEM
IDEM
D16
Estabelecer relações entre partes de um texto a partir de mecanismos de concordância verbal e nominal.
IDEM
IDEM
D19
Identificar o conflito gerador  de enredo e os elementos que compõem a narrativa.
Apresentar textos narrativos aos alunos para que possam reconhecer os elementos próprios de uma narração, abstraindo a mensagem para que possa valer-se dela para a sua vida.
IDEM
D14
Identificar a tese de um texto.
Levar para os alunos textos argumentativos para a identificação da tese (idéia principal) e doa argumentos positivos e negativos ( Vantagens e desvantagens).
Levar temas para os alunos elaborarem uma tese e argumentos positivos e negativos.
IDEM
D26
Estabelecer relações entre a tese e os argumentos oferecidos para sustentá-la.
IDEM
IDEM
D27
Diferenciar as partes principais das secundárias em textos.
IDEM
IDEM
V – RELAÇÕES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO

IDEM
D23
Identificar efeitos de ironia ou humor em textos.
Utilizar charges e tirinhas para mostrar que críticas e problema podem ser tratados com bom humor, chamando mais a sua atenção e fixando melhor o seu conteúdo.
IDEM
D28
Reconhecer o efeito de sentido decorrente da escolha de uma determinada palavra ou expressão.
Levar o aluno a perceber que as palavras, por terem vários significado, assumem sentidos diferentes e que elas devem ser analisadas dentro de um contexto e não isoladamente.
IDEM
D21
Reconhecer o efeito de sentido decorrente do uso de pontuação e de outras notações.
Levar o aluno a perceber a importância do uso da pontuação e leitura com entonação.
IDEM
D25
Reconhecer o efeito de sentido decorrente do uso de recursos ortográficos e morfossintáticos.
Levar o aluno a perceber que as palavras, por terem vários significados, assumem sentidos diferentes e que elas devem  ser analisadas dentro de um contexto e não isoladamente.
IDEM
VI – VARIAÇÃO LINGUÍSTICA

IDEM
D13
Identificar marcas lingüísticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de um texto
Respeitar as diferenças regionais e uso correto da linguagem culta (padrão)
IDEM



Ciências





Responsáveis pela Elaboração e Execução do Plano de Intervenção Pedagógica


1
31
2
32
3
33
4
34
5
35
6
36
7
37
8
38
9
39
10
40
11
41
12
42
13
43
14
44
15
45
16
46
17
47
18
48
19
49
20
50
21
51
22
52
23
53
24
54
25
55
26
56
27
57
28
58
29
59
30
60





















Projetos desenvolvidos pela escola visando melhorar os índices das avaliações externas:

1.    Projeto Monitora:
a.     Executores: Bibliotecária, professora eventual, voluntários, parceria com associação APAS ( Associação Presbiteriana Ação Social), voluntários.
b.    Período de realização: durante toso o ano letivo
c.     Professores beneficiadas: alunos do Ensino Fundamental

d.    Histórico: a idéia do projeto foi levantar a partir das reuniões do PIP, onde foram constatadas dificuldades dos alunos em  diversos conteúdos.

e.     Desenvolvimento: Direção e supervisão elaborarão as atividades e com parceria da APAS executarão o plano como foi no ano de 2009 e professores voluntários para desenvolverem em trabalho de reforço para alunos que tenham dificuldades diversas no contraturno.

f.      Constantemente os professores refletirão a respeito do progresso (ou não) dos alunos atendidos pelo projeto. Tal reflexão implicará na busca de novas estratégias de ensino.










Escola Estadual Antônio Welerson







Projeto Doce Harmonia:
uma proposta de ensino coletivo em música









GELVANIA CÂMARA MARQUES
GISLENE KLEN DE OLIVEIRA


Manhuaçu / 2011
PROJETO : Projeto Doce Harmonia
INSTRUMENTO MUSICAL:  FLAUTA DOCE
Professora: GISLENE KLEN DE OLIVIERA

Justificativa

A Música é uma das áreas de conhecimento presentes nos Referenciais Curriculares Nacionais, e hoje é conteúdo obrigatório, no entanto vem sendo ignorada em muitos contextos já que há profissionais de educação que alegam não ter preparo ou formação para desenvolver tais conteúdos junto aos alunos.
O projeto tem como objetivo ensinar alunos a tocar a flauta doce, para que possam por meio da musica desenvolver a ética, respeito e trabalhar os valores sociais, emocionais .
Este ano de 2011 a Escola Estadual Antônio Welerson conta parceria com uma professora de música Srª Gislene que atuará no 6º ano do Ensino fundamental, com um trabalho de formação de alunos referenta a disciplina de Educação Musical, com base na características sonoras e instrumentais, leitura rítmica e melódia e também com o uso de partituras. Através deste trabalho o acesso dos alunos à música erudita e popular se torna mais viável, proporcionado uma aprendizagem, onde os alunos terão a oportunidade de ampliar o universo musical através do uso de um instrumento e também da prática em conjunto os alunos tiveram pouquíssimo contato com música, acredito mais ainda na importância de se ter uma oficina de flauta doce,proporcionando a eles mais um momento de estada na escola.

Objetivo

     Este trabalho tem como objetivo ensinar flauta doce através de aulas coletivas e audições musicais, bem como de aplicação de técnicas de postura e concentração. Desta forma, o aluno desenvolve, além da habilidade musical, a auto-estima, a criatividade e a comunicação com o uso da música, aproveitamento o espaço escolar como meio intermediador.
O projeto buscará ampliar relações entre as escolas e as comunidades. Além disso, busca aumentar as oportunidades de acesso à formação para a cidadania. 
 Tem como objetivo Promover:
  • Aprendizado da leitura musical.
  • Desenvolvimento das habilidades relacionadas à percepção de sons, ritmos e melodias.
  • Utilização da flauta doce para produzir melodias por meio musica.
  • Atuação como multiplicadores deste conhecimento contribuindo na formação de futuros artistas ou até mesmo de um público mais exigente em relação à qualidade musical.


PÚBLICO

Alunos do 5º ANO 6º ano com dificuldade de aprendizagem, bom comportamento e freqüência na escola.

Responsáveis:


DIRETOR: ROGÉRIO DE OLIVEIRA
VICE-DIRETORA: LIDIANA SALAZZAR

Supervisora : GELVANIA CÂMARA MARQUES

Professora : GISLENE KLEN DE OLIVEIRA

Duração :  7 meses

Freqüência ; 2  vezes por semana


                 








ESCOLA ESTADUAL ANTÔNIO WELERSON

PIP –PLANO DE INTENVENÇÃO PEDAGÓGICA

TEMA: LER E ESCREVER SE APRENDE BRINCANDO


PROJETO: SUPERVISORA GELVANIA CÂMARA MARQUES

TEMPO: MARÇO À AGOSTO
Equipe Responsável: Gelvania Câmara Marques, Ana Maria
Professores Responsáveis: Arlete,Heloisa, Sandra,
Público Alvo: Alunos do 3º e 4º ano com baixo desempenho na avaliação do PROALFA de 2010

Objetivos

·       Oferecer oportunidades de aprendizagem de leitura, escrita e interpretação aos alunos de baixo desempenho nas avaliações do PROALFA por meio de intervenção diferenciada.
·       Diagnosticar  o nível de cada aluno atualmente e trabalhar as deficiências de aprendizagem .
·       Oferecer ao aluno aulas de reforço, material lúdico, acompanhamento individualizado para que possa vencer as competências e habilidades previstas dentro da proposta pedagógica que é de oportunizar que todo aluno leia, escreva e interprete com competência e autonomia.

Estratégia

  • Trabalhar com os alunos do 3º e 4º fora da sala de aulas as competências que precisam ser alcançadas.
  • Desenvolver  com os professores que estão em reajustamento atividades para atendimento dos alunos com dificuldade de aprendizagem.
  • Desenvolver com a professora Arlete e supervisora Gelvania atendimento aos alunos com maior grau de dificuldade.
  • Trabalhar o Guia do Alfabetizador  do 3º ano as competências que não foram alcançadas conforme diagnostico prévio.

EIXOS A SEREM TRABALHADOS:

EIXOS:  I -  CAPACIDADES LINGÜÍSTICAS

CAPACIDADE
ATIVIDADES PEDAGÓGICAS
RECURSOS DIDÁTICOS PEDAGÓGICOS
HABILIDADES
OBSERVAÇÕES
Ø    Participar das interações Cotidianas em sala de aula: - escutando com atenção e compreensão;
Ø    respondendo às questões propostas pelo alfabetizador;
Ø    expondo opiniões nos debates com os colegas e com o alfabe­tizador.
Ø    Respeitar a diversidade das formas de expressão oral manifestas por colegas, professores e funcionários da escola, bem como por pessoas da comunidade extra-escolar.
·   Usar a língua falada em diferentes situações escolares, buscando empregar a variedade lingüística adequada.
·   Planejar a fala em situações formais.
·    Propor "brincadeiras" em que os alunos escrevam bilhetes, email e piadas com diferentes objetivos, como recados de amor, avisos importantes, piadas relacionadas aos conteúdos ensinados em sala, ou não, e depois, lêem em voz alta incorporando o personagem.
·   Realizar com pertinência tarefas cujo desenvolvimento dependa de escuta atenta e compreensão.





·Propor atividades em grupos em que a discussão e a troca de idéias sejam recursos utilizados para a resolução de problemas, para a conclusão
de uma pesquisa, para a decisão das divisões de tarefas, encaminhamentos de estudos ou atividades, entre outros.
·Propor que os alunos apresentem ao restante da turma o que discutiram nos grupos, falem sobre
o que aprenderam, o
que descobriram, do que atividades, entre outros.
·Propor que os alunos apresentem ao restante da turma o que discutiram nos grupos, falem sobre
o que aprenderam, o
que descobriram, do que mais gostaram durante
o Desenvolvimento de determinada tarefa.
·Propor diversas atividades
em que os alunos devam
dar respostas, opiniões e sugestões, como por exemplo, interpretação oral e coletiva de piadas,
·   Ressaltar, durante as rodas
de conversas, debates e outros eventos que envolvam expressão oral dos alunos a importância de valorizarem
e respeitarem as diversas formas que cada um tem
de se expressar. Explicar, argumentar e demonstrar que há maneiras diferentes de falar que aprendemos com a família ou que ocorre de acordo com a região em que nascemos.
·   Estimular o respeito mútuo entre os alunos, entre alunos
e alfabetizadores e, ao mesmo tempo, assumir uma atitude respeitosa diante dos alunos.
·   Neste bimestre, explorar gêneros textuais como bilhete, emails e piadas.
·   Propor atividades de conversas em roda para os alunos contarem, com suas próprias palavras, o que leram nos emails, bilhetes e piadas.
·   Estimular os alunos a relatarem sobre situações em receberam, enviaram, viram alguém enviar ou receber bilhetes e emails. Nesses momentos o aluno deverá utilizar-se da linguagem coloquial, cotidiana.
·   Desenvolver atividades que levem os alunos a exporem oralmente o resultado de trabalhos individuais ou feitos em grupos, falarem sobre temas que estão estudando. Nesse momento o aluno deverá ser estimulado, a partir do exemplo do alfabetizador, a utilizar-se
da linguagem formal, mais bem cuidada.
·   Incentivar os alunos ao contarem piadas, que façam uso da linguagem falada mais adequada para que essas
se tornem mais engraçadas. Exemplo: Se for uma piada com personagens de interior, imitar a forma caipira de se falar, linguagens e trejeitos .
·   Fazer um jogo com essas piadas, buscando trabalhar a expressão facial, corporal e entonação dos alunos.
·   Separar a turma em grupos
e propor que entrevistem alguém com mias habilidades em informática. O assunto da entrevista deve ser sobre a utilização da internet para a comunicação entre as pessoas.
·   Os alunos devem escolher as perguntas que querem fazer de acordo com suas curiosidades.
·   Propor atividades coletivas de produção oral de textos. Pode ser a produção de um bilhete, um email ou uma piada, em que a turma elabora o texto oralmente e o alfabetizador é o escriba.
- Interpretações orais e coletivas de textos (bilhetes, emails e piadas );
- Comentários sobre recados, emails e piadas pelo alfabetizador; - Jogos de perguntas e respostas sobre temas estudados;
- Jogos em que terão que ouvir as explicações do alfabetizador antes de jogarem. 



Ø     Trabalhar os combinados em sala de aula.
Ø     Trabalhar com ajudante do dia .
Ø     Contos, reconto de histórias.
Ø     Explorar as vivencias cotidianas
Ø     Piadas
Ø     Contos
Ø     Histórias
Ø     Filmes
Ø     Fantoches
Ø     Cantigas de roda

Ø      Entender e Obedecer regras de convivência .
Ø      Expor com clarezas idéias.
Ø    Desenvolver a habilidade de liderança e cooperação.
Ø    Desenvolver a habilidade de escutar com atenção e compreensão;
Ø     aguarda o momento oportuno para falar;
Ø    expressa-se com clareza se fazendo ser entendido;
Ø    preocupa-se em usar a linguagem correta;
Ø    faz suas interferências no momento adequado e com coerência;
Ø    participa ativamente dos planejamentos e avaliações das atividades de classe (são úteis suas sugestões? São aceitas pelo grupo?).
·   organização da rotina diária da turma, principalmente quando for utilizar o Laboratório de Informática, decisões coletivas sobre assuntos de interesse da turma, entre outros.
·   Propor discussões e debates entre os alunos sobre os assuntos estudados, descobertas sobre a função e estrutura do bilhete, função e formas de se utilizar emails, etc., dando relevância ao que dizem e estimulando-os a se ouvirem.
Ø    Promover campeonatos de piadas e adivinhas.
Ø    Promover para que os alunos: - ouçam-se mutuamente;
Ø    Aprender e considerar o que o outro fala;
Ø    compreendem e respeitam a diversidade de formas de comunicação e expressão.
• Analisar se o aluno:
- seleciona entre suas experiências as majs interessantes para apresentar à classe;
- se expressa com desenvoltura, buscando diversas formas de linguagem e de expressão;
- desperta o interesse da classe, expondo suas idéias com vivacidade e clareza;
- esclarece as perguntas feitas
Ø  Usa a linguagem verbal e não­verbal apropriadas para deixar as piadas mais engraçadas
Ø  Observar se o aluno é capaz de preparar adequadamente sua fala, elaborar perguntas coerentes para:êntrevistas, esclarecer dúvidas e participar de diversos contextos de uso da oralidade, como na leitura e produção oral do e-mail, piadas e bilhetes
Ø  Se o aluno é capaz de se concentrar durante as explicações do alfabetizador e se demonstra compreensão e interesse por essas atividades;
Ø   Se o aluno participa com opiniões, sugestões e respostas claras objetivas e de acordo com o que está sendo discutido.
Ø   





EIXO: II – LEITURA
CAPACIDADE
ATIVIDADES PEDAGÓGICAS
RECURSOS DIDÁTICOS PEDAGÓGICOS
HABILIDADES
OBSERVAÇÕES
·Identificar finalidades e funções da leitura, em função do reconhecimento do suporte, gênero e da contextualização do texto. Neste bimestre daremos ênfase aos bilhetes, emails e piadas.
·Identificar finalidades e funções da leitura, em função do reconhecimento do suporte, gênero e da contextualização do texto. Neste bimestre daremos ênfase aos bilhetes, emails e piadas.
·   Levantar e confirmar hipóteses relativas ao conteúdo do texto que está sendo lido.
·   Buscar pistas textuais, intertextuais e contextuais para ler nas entrelinhas (fazer inferências), ampliando a compreensão

·   Organizar a turma em pequenos grupos e propor que visualizem (sem a leitura do corpo do texto) alguns textos com recados, emails e piadas. Sugerir que com apenas essa visualização consigam adivinhar qual o assunto tratado nos textos .
·   Estimular os alunos a questionarem sempre para quê estão lendo determinado texto e o que será feito após a leitura (para se informarem, para se divertirem, para fazerem um resumo, para fazerem uma seleção ).


·Ler e Interpretar diferentes bilhetes, emails e piadas selecionadas pelo alfabetizador.
·Estimular os alunos e propor através das lições de casa, que eles coletem bilhetes, emails e piadas com diferentes objetivos· para socializar em sala.
·Propor aos alunos que façam um mural com as piadas coletadas e selecionadas por eles.
·Propor atividades de reconhecimento de características dos textos bilhetes, emails e piadas.
· Comentar e discutir com os alunos os conteúdos
dos textos lidos, buscando compreender informações que não estejam explicitadas no texto associando-as à sua experiência pessoal.
ØReconhecer unidades fonológicas como sílabas, rimas, início e terminações de palavras
·Ler em voz alta para os alunos bilhetes, emails e piadas.
·   Propor outros tipos de
leituras como: individual, em grupo, compartilhada (entre alfabetizador e alunos) e dirigida (leitura para localizar datas, números, palavras, entre outros).
·Iniciar com uma roda de conversa para sondar o que os alunos conhecem sobre a estrutura e função dos bilhetes e emails. Pergunte aos alunos o que são bilhetes e emails, para que servem, como são utilizados, quem já recebeu algum ou o enviou.
Socializar bilhetes, emails e piadas escritos individualmente e em grupo, com e sem a orientação do alfabetizador.
·   Discutir sobre o autor, sobre o destinatário (quem está lendo), as diversas intenções dos textos, informar, divertir, enviar recados.
·   Propor atividades em que os alunos leiam um título de uma piada e descubram do que se trata o texto.
·   Propor atividades para o aluno
explorar e compreender:
- A organização de um texto;
- Os recursos lingüísticos
empregados, como diminutivos, gírias, frases longas ou curtas.
- Os recursos literários como rimas, linguagem figurada, jogos de palavras, entre outros.
·   Propor atividades em que os alunos relacionem um texto a outro, ou um texto a uma história vivida, ou seja, relacionar o texto ao leitor.
·   Propor atividades que levem o aluno a dominar o vocabulário de determinado texto, com o uso do dicionário.
·   Propor aos alunos descobrirem o que dirá o texto observando o título ou uma imagem.
·   Planejar, junto com os alunos, a escrita de um bilhete para alguém conhecido por todos do grupo.
·   Proponha uma escrita coletiva desse mesmo bilhete após a socialização dos mesmos e discussão sobre os aspectos considerados pelo grupo ou ainda a acrescentar.
·   Propor atividades de produção de pequenos textos que façam sentido para os alunos, por exemplo, fazer uma lista dos inúmeros objetivos que um bilhete pode ter utilizando a vírgula para fazer a indicação de mudança de itens da lista.
·   Realizar atividades em que os alunos escrevam a sílaba que falta no início, na metade ou no fim de palavras conhecidas.
·   Proporcionar que os alunos reconheçam a presença de diferentes vozes nos textos lidos (narrador e personagens) observando os parágrafos, aspas e pontuação.
·   Realizar atividades de Bingo
ou Jogo da Memória de letras e sílabas.
·   Realizar atividades de formar palavras com as sílabas que
o professor distribuir. Prepare várias fichas de sílabas e distribua entre os alunos (8 para cada aluno). Utilize sílabas com uma, duas e três letras. Por exemplo: DA - CAN - DEN - MA- VE - LI- TE -A- SI
- EM - E - COS - LA- NES-
DE - HO - GUI- LHO - NHA­NHE - UM - TO -I-AR - PLA - JU - GE - GO - GOS - TAL
- AM, entre outros.




·   Observar e registrar se o aluno tem desenvolvido em sua capacidade de contextualizar um texto e antecipar o conteúdo do que vai ser lido e se isso tem contribuído para sua formação como leitor.
· Perceber e registrar se os alunos compreendem as características e funções dos textos bilhetes, emails e piadas.
Observar e registrar se o aluno tem desenvolvido em sua capacidade de contextualizar um texto e antecipar o conteúdo do que vai ser lido e se isso tem contribuído para sua formação como leitor.
·   Observar e registrar se o aluno tem hipótese interpretativa, se é capaz de descobrir pormenores na leitura de um texto.
·   Observar se a criança atribui sentido ao texto a partir das pistas textuais, intertextuais, contextuais e das inferências, estabelecendo relação entre as informações.
·   Observar e registrar se o aluno é capaz de ir além do que é
dito no texto, se sabe inferir informações que não estejam mostradas explicitamente, se sabe estabelecer relações entre informações que aparentemente não estão interligadas e se
é capazes de lembrar-se de outros textos conhecidos ou de conhecimentos que já têm (do tema, da sociedade em geral
ou de sua própria experiência de vida), construindo pontes intertextuais.
·   Analisar e registrar se o aluno é capaz de operar racionalmente com unidades sonoras e se compreende as regras de separação em sílabas.
·   Observar se o aluno escuta
e relaciona a letra ao som produzido, quando realiza atividade de escrita individual ou quando ouve a leitura dos textos.
·    




EIXO: III – APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

CAPACIDADE
ATIVIDADES PEDAGÓGICAS
RECURSOS DIDÁTICOS PEDAGÓGICOS
HABILIDADES
OBSERVAÇÕES









EIXO: IV – COMPREENSÃO, VALORIZAÇÃO E PRODUÇÃO DA CULTURA ESCRITA

CAPACIDADE
ATIVIDADES PEDAGÓGICAS
RECURSOS DIDÁTICOS PEDAGÓGICOS
HABILIDADES
OBSERVAÇÕES
·   Dominar regularidades e
irregularidades ortográficas:
- compreender o uso de grafemas cujo valor é dependente do contexto. Dando ênfase às consoantes: c, g, h, I, m, n, r, s,
x, z.
Ás vogais: e, o.
E aos dígrafos: rr, ss, sC,sç, xc, xs, Ih, nh, ch, gu, qu.
Ø     Analisar o que a pontuação e letras maiúsculas do texto traduzem.
Ø     Pontuar convenientemente um texto.
Ø    Analisar o tempo verbal dos textos.
Ø    Analisar o que a pontuação e letras maiúsculas do texto traduzem.
Ø    Pontuar convenientemente um texto.
Ø    Analisar o tempo verbal dos textos.
Ø    Compreender e valorizar o uso da escrita com diferentes funções, em diferentes gêneros.
·   Usar recursos expressivos, estilísticos e literários adequados ao gênero e aos objetivos do texto.
Ø    Revisar e reelaborar a própria escrita, segundo critérios adequados aos objetivos, ao destinatário e ao contexto de circulação previstos,
·   Dispor, ordenar e organizar o próprio texto de acordo com as convenções gráficas apropriadas.
·   Escrever segundo o princípio alfabético e as regras ortográficas.


Ø    Planejar a escrita do texto considerando o tema central e seus desdobramentos.
Ø    Organizar os próprios textos segundo os padrões de composição usuais na sociedade.
Ø    Usar a variedade lingüística apropriada à situação de produção e de circulação, fazendo escolhas adequadas quanto ao vocabulário e à gramática.


·   Propor atividades de ditado não para verificação de conhecimentos ortográficos, mas para fazer a criança analisar e aprender ortografia. Para isso, deve-se convidar as crianças a focalizar e discutir questões ortográficas específicas.
·   Realizar leituras fazendo interrupções para discutir a grafia de determinadas palavras levantando questões da escrita.
·   Através das atividades, discutir sempre e levar a criança a observar e analisar o uso de determinadas letras e dígrafos: ver que posição na palavra eles ocupam, qual o som que produzem ou representam, agrupar as palavras com as mesmas ocorrências, inferir as regras de uso.
·   Propor atividades de memorização de palavras  ond há irregularidades ortográficas pormeio da adedanha como pro exemplo o uso do S< X< SC,C. CH, todos com o som de S.
ara as palavras irregulares
pode-se, selecionar as palavras
de uso freqüente, ou as que a
turma está errando mais.
• Propor atividade de uso do
dicionário. É preciso deixar
claro que este é um instrumento
importantíssimo de informação
ortográfica e de aplicação do
significado das palavras. O uso
do dicionário também exige
uma atitude de reflexão .
• Trabalhar as palavras que
mais aparecem em suas
produções textuais e comuns
ao vocabulário do dia-a-dia da
criança, mediando o processo
de resolução de dúvidas sobre
·   ortografia.
·   Propor atividades de memorização de palavras onde há "irregularidades ortográficas" por meio da Adedanha como por exemplo o uso do S, X, SC, C, CH, todos com som de S .
• Propor:
- atividades para o aluno identificar os tipos de pontuação em um texto, o uso de letras maiúsculas, o uso do travessão, entre outros.
- pontuação de frases escritas ou faladas.
- Atividades de completar os textos com os sinais de pontuação.
·   Criar momentos para que a turma reflita e expresse, através do texto, a fala de uma ação que já aconteceu, que está acontecendo ou que ainda vai acontecer.
·   Reescrever frases modificando o tempo verbal.
·Desenvolver atividades de reestruturar textos para seqüenciar cronologicamente os fatos, ou ainda, para alterar tempos verbais.
·Propor jogo de dominá dos tempos verbais. Confeccionar dominá: com verbos e tempo (ontem, hoje e amanhã/ passado, presente, futuro). De um lado os verbos, de outro, o tempo.
·   Levar para a sala bilhetes e emails analisando o tempo em que elas acontecem. Analisar se esses textos têm a intenção de informar algo para o presente, passado ou futuro .
·   • Propor a análise do tempo verbal quando os alunos realizarem suas produções escritas.
com o gênero textual se dá sua forma de organização, cada gênero tem suas características próprias .
·   Propor atividades de uso sistemático do dicionário em sala de aula, desenvolvendo, assim, a capacidade de seu aluno de escrever segundo o princípio alfabético e as regras ortográficas. Mas não deixe de possibilitar que eles consultem também os colegas, outros adultos, o alfabetizador. As atividades desenvolvidas em duplas e em grupos favorecem isso .
·   Propor que, em alguns momentos, os próprios colegas revisem os textos uns dos outros. Faça combinados com
·   Trabalhar sistematicamente
a identificação das diferentes características e funções dos gêneros bilhetes, emails e piadas. Levantar questões como: Qual o objetivo? Qual a intenção? Do que se tratam? A que leitores se destinam? Como se organizam? Que tipo de linguagem utilizam?
·   Propor atividades em que
·   os alunos produzam escritas de textos com diferentes finalidades: bilhetes, emails, piadas, murais, reescritas, pauta de organização de trabalhos em grupos e pesquisas, etc. Através de argumentos, modelos, debates e discussões, leve o aluno a diferentes gêneros: bilhetes, emails e piadas.
·   Orientar o aluno para que antes de iniciar uma produção escrita, deverá identificar:
- Quem é o destinatário;
- Qual é a sua intenção;
- Qual portador a ser utilizado
(bilhete, emails, piadas, cartaz, papel de carta, folha avulsa, caderno, mural, etc.) .
·   Realizar produção de escrita coletiva, em que o alfabetizador irá conduzir o planejamento, levantando as seguintes perguntas: o que é que a gente vai dizer? Por onde a gente começa? Depois que a gente tiver dito isso, como é que a gente vai continuar? Como é que vai terminar o texto? Será que não está faltando nada? Será que o leitor vai entender do jeito que a gente quer que ele entenda?
·   Propor uma votação de escolha do nome do mural de exposição dos trabalhos.
·   Propor que coletivamente, definam as seções que irão escolher para compor o mural de exposição com bilhetes, emails e piadas,
·   Forme essas equipes de modo que cada aluno possa exercer tarefas compatíveis com suas competências.
·   -Propor que as produções escritas para o mural de exposições continuarão sendo três grupos na turma.
·   Propor que todas as correções dos textos para o mural sejam feitas pelos próprios alunos, com o acompanhamento da alfabetizadora, em sala de aula.
·   Propor atividades em que o aluno escreva seus próprios textos seguindo padrões específicos do gênero e suporte estudado,
·   Nesse momento é necessário retomar e discutir as características dos textos bilhetes, emails e piadas.
·   Disponibilize tempo nas aulas reservadas às produções escritas para que o aluno possa refletir e avaliar sua própria produção e efetuar
·   as mudanças que ele julgar necessárias ou que forem apontadas pelo alfabetizador


Folhas Xerox de textos diversificados.
Auto-ditados.
Jogos de escrita.
Produção de textos diversos.
Uso de dicionários
Brincadeiras que valorizem da escrita.
Jogo da memória.



·   Observar se o aluno observa, analisa e compreende as correspondências entre grafemas e fone.f:!1as, se compreende as regras ortográficas e se participa das discussões sobre essas regras.
·   Observar se ? criança apresenta dúvidas a respeito das irregularidades ortográficas nas atividades de registro da escrita .
·   Perceber e registrar se o aluno: - emprega as letras maiúsculas de maneira correta;
- utiliza pontuações adequadas nas frases interrogativas, exclamativas e afirmativas;
- faz uso da vírgula em frases, datas, listas e séries;
- faz uso do ponto final em frases afirmativas e abreviaturas;
- emprega corretamente os verbos nas frases;
- compreende o uso do travessão.


Semanalmente


Observar e registrar se o aluno distingue as diferentes estruturas dos escritos e se compreende o objetivo e a intenção de cada texto nos diferentes gêneros: bilhetes, emails e piadas.
Observar e registrar se o aluno compreende as diferentes finalidades dos escritos e se preocupa com a grafia correta das palavras e textos e se tem demonstrado desenvolvimento nessa capa.
·   Observar e registrar se o aluno é capaz de planejar seus escritos tendo coerência textual, observa sempre para que e para quem se está escrevendo, em que situação o texto será lido e portador de texto adequado.
·   companhar e analisar se o aluno é capaz de organizar seu texto segundo os padrões sociais mais aceitos e se participa das discussões.
·   Observar e registrar se o aluno ao falar e escrever, escolhe a variedade lingüística adequada ao gênero de texto que se está produzindo, aos objetivos que se quer cumprir com o texto, aos conhecimentos e interesses dos leitores previstos e ao suporte em que o texto vai ser difundido.
·   Observar se o aluno é capaz de avaliar e revisar seus próprios escritos considerando as diferentes dimensões
de seus textos, tomando
como parâmetro definidor a adequação aos objetivos, ao destinatário, ao modo e ao contexto de circulação.
·   Certificar-se continuamente de que o aluno usa adequadamente os recursos lingüísticos aos g.bjetivos que seu texto deve cumprir.
·   Fazer registros constantes sobre as observações.
·   Observe que aqui não são
para serem feitas apenas as correções ortográficas, mas também, para o aluno planejar a escrita, reler cuidadosamente, julgar se está bom ou não, alterar e reescrever, seguindo os critérios estabelecidos para a escrita quanto ao objetivo, o destinatário (para quem estão escrevendo) e o contexto
de circulação do que estão escrevendo.





















PROJETO RESGATAR 6º ANO AO 9º ANO



IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO: Projeto Resgatar (Recuperação Paralela e Contínua em língua Portuguesa)


EXECUTORES DO PROJETO: Equipe de professores de língua Portuguesa regentes da Escola Estadual “Pedro Domingues”, a saber:
  • Áurea de Oliveira Matias Campos;
  • Elisa Ferreira Lima;
  • Inês Bacharel da Cruz;
  • Maria Lúcia de Carvalho;
  • Maria Luíza Resende Leão;
  • Tatiana Rodrigues e Silva;
  • Maria Helena Piris de Souza, professora de língua portuguesa em Ajustamento Funcional.


COORDENADORA DO PROJETO: Gelvania Câmara Marques


PERÍODO DE REALIZAÇÃO: Durante todo o ano letivo, com início em 02/02/2011.


CLIENTELA ALVO: Todos os alunos da Escola Estadual “ANTÔNIO WELERSON ” a partir do 6º ano do Ensino Fundamental , que apresentarem baixo rendimento escolar e/ou dificuldade de aprendizagem, bem como falta de hábito de estudo e/ou leitura.

HISTÓRICO DO PROJETO: A idéia do projeto nasceu da observação e constatação da dificuldade dos alunos em utilizarem a língua escrita, a língua oral, interpretarem e produzirem textos e também devido à falta de leitura. Em conseqüência disso, há grande escassez vocabular e diversas dificuldades ortográficas.

JUSTIFICATIVA: em reunião da área de língua portuguesa, a equipe decidiu implementar o Projeto, pois realmente constatou-se a necessidade de reforçar a língua escrita, a interpretação de textos, a ortografia, a leitura, dentre outros registros.

OBJETIVOS:

  • Desenvolver habilidades de comunicação escrita e interpretação textual.
  • Escrever com clareza, legibilidade, coerência, concisão e coesão.
  • Produzir textos permeados de objetividade e ortograficamente corretos.
  • Compreender e exercitar os conceitos de continuidade e progresso textual.
  • Inserir, através de textos produzidos, valores socialmente, valores interiores, beleza interior e exterior, tradicionalismo, convenções, influências do outro sobre os nossos pontos de vista.
  • Aprimorar a linguagem escrita, exercitando-a a partir de orientações da língua padrão.
  • Ampliar o vocabulário e desenvolver o senso de precisão semântica a partir de exercícios direcionados para este fim.
  • Observar e colocar em uso aspectos discursivos, estilísticos e semânticos relacionados a produção de textos.
  • Desenvolver o hábito e o gosto pela leitura.
  • Melhorar o desempenho dos alunos nas avaliações externas. (SIMAVE,  PROVA BRASIL, dentre outros).

ESTRATÉGIAS:

  • Os professores de língua portuguesa selecionarão, em suas respectivas turmas, os alunos que necessitam de um reforço (através de observação das atividades em classe e de testes diagnósticos)
  • A professora Maria das Graças (função bibliotecaria)  selecionará textos de jornais e revistas e os direcionará aos professores, que, por sua vez, repassarão aos alunos, atribuindo determinadas atividades.
  • Os alunos colocarão os textos em seus cadernos e desenvolverão as atividades propostas, dentro do prazo de uma semana. Os cadernos serão recolhidos pelas respectivas professoras e encaminhados a Maria das graças  que fará a correção dos mesmos e sugerirá aos professores novas atividades.
  • Semanalmente haverá novas atividades e os alunos se dedicarão a elas.

RECURSOS UTILIZADOS NO PROJETO: jornais, revistas, Xérox de textos diversificados, tesoura, caneta, lápis, borracha e um caderno para cada aluno. Um jornal (Estado de Minas) é assinado pela escola, revistas serão doadas pela comunidade e cada aluno adquirirá seu próprio caderno.

AVALIAÇÃO: a avaliação será realizada semanalmente por Maria das Graças , após correção das atividades. O progresso ou não dos alunos será relatados aos respectivos professores.
            À parte, serão registrados em um caderno os nomes dos alunos inseridos no Projeto e o desempenho semanal de cada um.
            A partir do desempenho individual do aluno, as estratégias serão direcionadas de forma a tender as diferenças individuais, procurando sanar as dificuldades.
            Haverá intercâmbio entre os professores de língua portuguesa e a professora Maria das Graças para divulgação de progressos alcançados, bem com sugestão e necessidade de novas atividades e/ou estratégias e também sobre o andamento doa conteúdos em classe.
            Dependendo do resultado das avaliações sistemáticas do Estabelecimento, novos alunos poderão ser incluídos ou dispensados do Projeto.


Sugestões de Atividades:

Caça palavras
Carta aberta
Criação de um texto a partir de um parágrafo
Entrevistas com personagens fictícios ou reais (criar perguntas e respostas)
Ilustração de Texto
Palavra chave
Questionário inverso ( dar as respostas: criar perguntas)
Questões e respostas
Redação a partir da linguagem não verbal
Redação a partir da linguagem não verbal
Redação de classificados e textos publicitários em geral
Redação de texto jornalístico (Q+Q+Q+C+O+PQ)
Redação de bilhete, memorando, circular, correspondência interna em geral
Relatório diário ou semanal
Resenha crítica
Síntese




2 comentários:

Anônimo disse...

Ola, GELVANIA! Parabéns pelo seu trabalho de intervenção e,principalmente por ter postado. A escola que eu trabalho está precisando de intervenção muito semelhante à sua, e pude entender melhor ao ler seu plano. Parabéns!!!

Eliana Alvarenga professora de Ciências

Anônimo disse...

Parabéns pelo trabalho realizado. Estamos necessitando de uma intervenção emergente semelhante a q/ vem realizando.